Não ter um planejamento financeiro pode ser um grande problema, pois a falta de controle dos seus gastos e recebimentos acaba afundando você em dívidas. No entanto, quem investe na organização das finanças pessoais consegue assegurar uma vida tranquila quanto ao seu futuro financeiro.

Porém, para colocar as finanças em ordem, não basta saber o quanto você ganha e o quanto gasta. Ter conhecimento de onde você despende seu dinheiro é fundamental para buscar o equilíbrio da sua conta-corrente.

Com o objetivo de fugir de situações em que seja preciso buscar linhas de crédito com juros altos para evitar atrasos nos pagamentos das suas faturas, confira nossas 4 dicas de como organizar finanças pessoais de forma eficiente! Continue a leitura!

1. Entenda a importância do equilíbrio financeiro

Ter equilíbrio financeiro significa, obrigatoriamente, gastar menos do que se ganha. Para isso, você precisa monitorar suas receitas e despesas. A tecnologia é uma grande ajuda, pois existem diversos aplicativos gratuitos que a auxiliarão a realizar esse controle do que entra e do que sai da sua conta.

Por meio desses aplicativos, você poderá categorizar suas despesas automaticamente, sincronizando as informações do seu acesso bancário via Internet com o software. Mapeando tudo isso, será possível avaliar se você está gastando seus recursos de forma eficiente ou se pode cortar custos desnecessários.

2. Mantenha o controle sobre os gastos fixos

Especialistas em finanças pessoais indicam que suas despesas fixas mensais não devem ultrapassar 65% dos seus rendimentos do mês, afinal, além da necessidade de poupar para o futuro, você também pode sofrer custos não previstos — como uma batida de carro ou gastos médicos não esperados.

Para ter mais segurança no seu planejamento financeiro, faça um estudo minucioso dos seus gastos fixos, ou seja, conheça os valores médios de sua conta de luz e de água, saiba exatamente quanto é a parcela do financiamento do seu imóvel e os valores do seu combo de televisão, telefone e Internet.

Caso a somatória das despesas seja maior que 65% do seu salário mensal, está na hora de parar e avaliar o que pode ser cortado ou reduzido.

3. Pague as contas no prazo

Muitas vezes, uma conta é paga em atraso não por falta de dinheiro, mas por pura desorganização. Por isso, procure controlar as datas de vencimento das suas faturas. Pagar as contas em dia evita gastos indevidos com juros  dinheiro que poderia ser empregado em seus investimentos.

No caso de realmente faltarem recursos para que todas as dívidas sejam quitadas, o melhor a fazer é priorizar os pagamentos que tenham os juros mais altos — como o cartão de crédito e o cheque especial. Pagar menos juros significa fazer economia!

4. Poupe sempre que possível

Poupar é investir na sua tranquilidade, pois não há estresse maior do que ter uma emergência e não saber de onde tirar os recursos para enfrentá-la. Por isso, procure poupar sempre que possível.

Use o dinheiro que você conseguiu guardar para fazer escolhas inteligentes de investimento, dessa forma, você fará com que seus recursos trabalhem para você. Avalie se o seu perfil investidor é mais conservador ou arrojado e busque as opções que proporcionem os melhores rendimentos.

Consultores financeiros indicam a renda fixa para quem não gosta de correr grandes riscos e a renda variável para os investidores mais agressivos.

Agora que você já conhece as principais dicas para organizar finanças pessoais, que tal compartilhar este conteúdo com seus amigos nas redes sociais? Vamos lá!